25 outubro 2019

O Jardim da Luz ... outra vez!

Não foi uma estreia ... no ano passado, em Novembro, já tínhamos aqui estado.


Começamos com uma salada de polvo (muito bem conseguida) e seguimos com um arroz de lingueirão de alto nível (por sinal a mesma receita de há quase um ano). Destoou o JSH (de assinalar o seu regresso após longo período de ausência) que se bateu galhardamente com uma belíssima posta de peixe-espada preto. Bebeu-se Flor do Tua, um bom tinto de Trás-os-Montes. Os finalmente ficaram a cargo de um bolo de chocolate, anunciado como o melhor do mundo, e uma delícia folhada que marchou às mil maravilhas. Esperemos que o JSH continue na sua recuperação (de apetite julgo já estar completamente recuperado) e nos possa dar o prazer da sua companhia mais vezes.


20 outubro 2019

Sueco

Foi há quatro anos que nos deixou.


Um abração Sueco ... até sempre!

26 setembro 2019

Alentejo ... em Lisboa

Foi no "Lugar ao Sul" (Falagueira, Amadora) que os "manhosos" resolveram assentar arraiais ... pelas minhas contas é já a terceira vez que isto acontece o que parece abonar à qualidade desta casa.


Depois dos famosos "redenhos" (torresmos de alta categoria) vieram para a mesa vários acepipes: passarinhos fritos, pézinhos de coentrada, cozido de grão, cação frito e uma substancial sopa de tomate. Foi tudo regado com um tinto alentejano, Vargas (da Amareleja?), que esteve ao nível (alto) do resto da refeição. A sobremesa (farófias e toucinho do céu) foi complementada com café e xiripitis.
"Os Manhosos" tiveram uma companhia de alta categoria ... o ARC e o VLR além do LA, que com a sua conhecida veia de fotógrafo permitiu uma reportagem alargada deste acontecimento gastronómico.


Aqui ficam as imagens ... de notar, lá atrás, o Vasco Santana a espreitar os convivas.

Nota: Se quiserem ampliar as imagens podem "clicar" sobre elas.

08 agosto 2019

Dom Petisco

Fica ali para os lados da Av. de Roma, na rua Oliveira Martins.


Em pleno Agosto e num dia cinzento "Os Manhosos", a sugestão do Marquês, resolveram investigar esta casa de comida. Não se deram mal de todo ... começou-se com um caril de gambas (razoável) e acabou-se com uns lombinhos de porco com molho de ervas (também razoável). O vinho da casa, tinto da região de Lisboa, para não destoar digamos que também era razoável. O melão final era bom, faltando-lhe um pouquinho de frio. Enfim, um almoço razoável que não chegou para embandeirar mas que não envergonhou ninguém.
Depois de se terem resolvido alguns assuntos prementes, tais como as greves que se aproximam, discutiu-se a sucessão do "Meia-Praia" tendo ficado prevista uma etapa específica para este assunto, a organizar pelo "manhoso" Vitorin. 
Resta-nos desejar a recuperação total do SH que parece estar no bom caminho ... de notar a falta de última hora do ARC que teve um contratempo de saúde que se espera já estar ultrapassado.

05 agosto 2019

O "Meia-Praia II"

Face ao comentário do Marquês "manhoso" no último "post" deste blogue, em que diz que o "Meia-Praia" faz muita falta, venho propor a aquisição de um substituto.


Há voluntários para uma vaquinha?

01 agosto 2019

Mini-almoço "manhoso"

Foi no reino dos Algarves, para os lados de Tavira (Sta Luzia, a capital do polvo) que estes dois manhosos, e respectivas, se encontraram. Sob a batuta do Marquês, num restaurante chamado "A CASA...", comeu-se muxama de atum, biqueirões, "miolos" (sic) de camarão à casa, filetinhos de polvo e para terminar uma feijoada de quê? De polvo, claro!!! Tudo a merecer uma referência muito positiva ... de se tirar os chapéus.



11 julho 2019

A Floresta do Salitre

Anunciado como um belíssimo restaurante, entre os 100 melhores de Lisboa, revelou-se "vulgar de Lineu" ... na minha opinião: nem bom nem mau, antes pelo contrário.




Vieram para a mesa umas "lulas recheadas" que não ofenderam ninguém seguindo-se um "coelho à caçador" que seguiu os passos das antecessoras. O acompanhamento liquido foi feito à base de imperiais (estava muito calor) e de um branco fresquinho de Vendas Novas, o Rafeiro.
Para mim o melhor da refeição foi um melão de alta categoria, talvez prejudicado (pouco) por estar maduro de mais. Final em beleza com a oferta aos comensais de um "vinho fino" lá do Norte de muito bom nível que acompanhou bem os cafés. E assim terminou esta "viagem manhosa" à Rua do Salitre sem muito mais para contar ... fica para a próxima aventura.

31 maio 2019

Em "Harmonia"

Como era expectável retornámos a este restaurante.


A qualidade desta casa de comida foi mais uma vez posta à prova ... e saiu-se bem.
A faina começou com uns carapauzinhos de escabeche e uma salada de polvo. Seguiu-se um bife de atum braseado, umas lulas à lagareiro e um cabrito no forno ... a única crítica a fazer está relacionada com a quantidade (foi comida a mais). O vinho da casa, "Harmonia" de seu nome (Herdade do Rocim), cumpriu. Apesar do excesso verificou-se que após a lauta refeição os "manhosos" (mais o JE) rapidamente recuperaram e estão prontos para outra prova.
Mais uma vez tivemos várias faltas de comparência que se espera poderem ser ultrapassadas. Ao JSH, que vai ter brevemente uma operação de reparação/manutenção, deseja-se que tudo corra bem e que tenha uma rápida e total recuperação.

02 maio 2019

O Pátio do Petisco (Mercado da Vila, Cascais)

Hoje, mais uma vez, apenas compareceram ao almoço "manhoso" os três manhosos do costume ... já é a terceira vez que isto se verifica (esperemos que não se torne um hábito).
O almocinho correu bem, com vários petiscos: pica-pau PG (à Pinto Gomes), amêijoas à Bulhão Pato, peixinhos da horta e lascas de batata. Tudo bem apaladado mas as amêijoas e o pica-pau levaram as medalhas. Como estava bom tempo foi tudo acompanhado com imperiais bem fresquinhas que escorregaram lindamente.
Resta desejar que os impedimentos dos restantes "manhosos" sejam prontamente ultrapassados. Inté!


29 março 2019

Águas Livres

Hoje tivemos uma estreia ... a sugestão foi do Marquês.


Estas "Águas ... ", muito perto do Largo do Rato, foram uma boa surpresa, com uma cozinha bem confeccionada e apresentada com gosto (notei um cheirinho a ares franceses).
Comeram-se uns filetes de peixe galo à marisqueira e uns lombinhos de porco preto. Ambos os pratos muito  saborosos e bem apaladados ... o acompanhamento dos lombinhos incluia uma salada mista com um belíssimo molho vinagrete que, quanto a mim, merecia uma medalha de ouro. Bebeu-se, a acompanhar, um vinho da casa, tinto, de Palmela que cumpriu o seu dever. 
De assinalar que o Pedro TS abandonou a mesa mais cedo e por isso escapou ao fotógrafo ... parece que teve que ir para Marrocos ou qualquer coisa assim e com urgência.
Para terminar esta actividade cultural programou-se (e cumpriu-se) uma visita à porta do Museu da Água no Jardim das Amoreiras.


22 fevereiro 2019

Harmonia

É um novíssimo restaurante (derivado do Zé do Cozido) situado à Alameda D. Afonso Henriques e a qualidade do Zé parece-me que se manteve. A refeição, que começou com as tradicionais entradas (presunto de 1ª, carapaus de escabeche, salada de orelha, etc, etc), continuou com um bacalhau à brás seguido de pernil de porco.É difícil encontrar um bacalhau à brás que se equipare ao da Briosa e este não foi excepção mas ... estava razoável o que já não é mau. O pernil estava acima da média. Foi um belo almoço, regado com um tinto alentejano (Pousio de seu nome), num sítio que ou muito me engano ou terá repetição, mais tarde ou mais cedo.
À última da hora o Marquês baldou-se e como tivemos dois convidados especiais (para compensar duas faltas anunciadas) eramos sete ... arranjamos um(a) substituto(a) para o faltoso e digo eu, ficámos a ganhar com a troca. Vejam só!!!

(Para ampliar, "clicar" na imagem)

16 janeiro 2019

A Galé dos Manos

Este simpático e um pouco acanhado restaurante fica para os lados do Calhariz de Benfica e serviu de palco, hoje, ao primeiro almoço "manhoso" deste novo ano.

(Para ampliar, "clicar" nas imagens)

Sob a batuta do "manhoso" Arteiro (que além da reportagem fotográfica também orientou, com maestria, a comezaina) ingeriu-se um belo arroz de peixe com camarões seguindo-se umas bochechas de porco com batatinha frita. O tinto da casa cumpriu a contento a sua missão, sem alardes ou fraquezas. As sobremesas, muito coloridas, compreendiam mousse de chocolate, peras à TS (ou seja bêbedas), leite creme e torta de laranja ... todas cumpridoras. Os cafés finalizadores foram acompanhados de um xiripiti caseiro de bom nível. Resta dizer que compareceram sete "manhosos" o que já não acontecia há algum tempo ... esperemos que o hábito se instale.

(Para ampliar, "clicar" na imagem)

Os sorrisos podiam ser um pouco mais rasgados mas foi o que se pôde arranjar.

22 dezembro 2018

Natal 2018


Olá Manhosos ... fui encarregada de vos desejar um Bom Natal e um Ano Novo cheio de "propriedades", com saúde e boa disposição. Inté!!!

19 dezembro 2018

Uma "reprise" para acabar a época

Foi no "Zé do Cozido" que se efectuou o último almoço "manhoso" deste ano.


 De assinalar (e saudar) a presença do "manhoso" Arteiro que andava arredio destas andanças há já uns tempos. Chegou e imediatamente introduziu uma positiva diferença de qualidade na reportagem do repasto. 
Depois dos acepipes (de realçar o magnífico presunto) entrou em liça uma belíssima feijoada de choco que antecedeu um apenas razoável borrego assado com batatinhas. Uma menção honrosa para o néctar tinto que acompanhou a refeição (Convento da Tomina) ... leva um muito bom. Falha a imagem do borrego e no que diz respeito a sobremesas falha também a maçã assada que alinhou com a saladinha de frutas.

(Para ampliar, "clicar" nas imagens)

Aos "manhosos"presentes juntou-se  a menina Isabel que ombreou com o assíduo freguês do "Zé ... " deixando outros dois convivas furiosos e muito amuados ... mas não se pode ter tudo, né?

28 novembro 2018

Páteo do Petisco na Torre (Cascais)


Mais uma estreia, desta vez em Cascais (Torre) no Páteo do Petisco. Da grande variedade de petiscos escolheu-se lascas de batata, pimentos padron, choco frito, peixinhos da horta e, para finalizar, um pica pau com cogumelos muito bem condimentado. Tudo acompanhado com um tinto da casa que se revelou razoável. Feitas as contas finais a apreciação foi positiva e talvez mereça reincidência.

07 novembro 2018

Jardim da Luz

A sugestão do PL fomos almoçar aqui, no Jardim da Luz em pleno Largo da Luz (Carnide). Pouca audiência de "manhosos" pois as faltas anunciadas e inesperadas apenas permitiram a presença de três (!) dos ditos ... até parece que esta cambada está em vias de extinção (de notar que o último ajuntamento foi há mais de um mês).
O almoço propriamente dito foi entre bom e muito bom, para não exagerar. Começou-se com uns mexilhões recheados de cebola e pimentos, depois foi-nos apresentado um belíssimo arroz de lingueirão (para os mais ignorantes este bicho dá pelo nome de solen marginatus) com gambas e que mereceu, sem dúvidas, uma medalha de ouro. Segue uma imagem do solen marginatus (em grupo) para fomentar invejas. 


O acompanhamento liquido esteve a cargo de um Monte das Servas branco e frio que também esteve muito bem. Terminou-se com papaia e manga de muita categoria. 
Resta dizer que falhou a reportagem fotográfica por puro esquecimento mas não querendo deixar o registo imagético em branco e rebuscando os arquivos "manhosos", consegui um boneco dos três resistentes obtido noutra ocasião. Le voilà:


Para terminar deseja-se que os impedimentos que determinaram as ausências "manhosas" sejam rapidamente ultrapassados. 

28 setembro 2018

D. Feijão

Em caso de dúvida, o D. Feijão é sempre uma aposta segura!


Após um largo interregno, correspondente a um tórrido estio, foram retomadas as actividades de "Os Manhosos" (embora em número reduzido). 
Comeu-se um arroz de tamboril com gambas (muito bom) e peixe galo com açorda de ovas (também bom). O líquido acompanhante foi escolhido pelo AVVD que desencantou um Plansel tinto que esteve bem. O melão e ananás da sobremesa é que não estiveram ao nível do resto da refeição. Para a próxima será melhor!

02 julho 2018

O MOMA, na Rua dos Correeiros

O fotógrafo não estava lá!


Faltou a ferramenta (salvo seja) ao repórter e tivemos que recorrer á NET para ter uma imagem do local do evento. Compareceram quatro "manhosos" habituais (adivinhem quem) que comeram, de entrada, uns camarões fritos bem saborosos. Depois foi um lombo de bacalhau assado (razoável), uma salada de pescada fria (da famelga da salada russa) que estava boa e uns pastéis de massa tenra que foram muito apreciados pelos respectivos consumidores. O tinto da casa acompanhou bem a refeição. Cerejas e tarte de amêndoa com framboesas encerraram as actividades antes dos cafés e de um "xiripiti" branco de nível muito bom. Restaurante a ser explorado com mais cuidado ... uma nota especial para o serviço, de alto gabarito!!!

29 maio 2018

No "Salsa & Coentros"

Fica ali para os lados da Rio de Janeiro na Rua Coronel Marques Leitão


Foi o que se chama um "almoçarão" de alto lá com ele. Começou com uma avalanche de entradas (onde os coentros dominaram) a saber: empadas de galinha (ainda quentes e de alta categoria), cogumelos de coentrada, pimentos com coentros, favinhas de coentrada (para não destoar), presunto pata negra e queijo de cabra (menção honrosa) ... terminadas estas saborosas entradas passou-se à segunda fase que incluiu pezinhos de coentrada, bochechas de porco preto ao vinho tinto, perdiz de escabeche e ovos mexidos com túberas, as famosas trufas alentejanas (devo dizer que os ovos abafaram as túberas). Zé da D. Leonor (da região do Tejo) foi a pomada tinta que fez deslizar os acepipes acima mencionados. Depois deste quase banquete ainda houve força e vontade para tratar de frutas e doces, terminando com cafés e um belo xiripiti. 
Enfim, acho que podemos classificar esta incursão como positiva não só pela comezaina mas também pela companhia, conversas havidas e evocação de memórias ... esperemos poder continuar neste rumo!!!

18 abril 2018

Lugar ao Sul ... outra vez!

Voltamos a esta casa alentejana (sita na Falagueira), desta vez mais numerosos e com grandes novidades ... tivemos a  presença surpresa do Luís Santos Silva (que andava fugido há um bom par de anos) e o regresso às lides do também Luís Arteiro, o que é um bom sinal.


O regresso do repórter de alto nível, de seu nome Arteiro, possibilita uma muito completa reportagem sobre este repasto ... quanto a mim, a medalha de ouro tem que ser entregue aos torresmos, os célebres "redenhos", e aos peixinhos da horta que estavam muitissimo bons. Os pezinhos de coentrada, desta vez, não me pareceram excepcionais ... faltavam-lhe pés e uma pitada de sal. As iscas de cebolada estavam razoáveis (e não mais do que isso). O vinho acompanhante, da casa e alentejano, bebeu-se muito bem. O melão final, não sendo uma maravilha, desempenhou bem o seu papel. Esqueci-me dos xiripitis e não houve uma alma caridosa que me trouxesse o assunto à "lembradura" ... uma falha de alto calibre pois se bem me lembro, na nossa primeira visita, o xiripiti  era de grande categoria!


(Para ampliar as imagens basta "clicar" sobre elas)

O "meeting" manhoso terminou com uma visita ao Fernando Pessoa que assentou arraiais num jardim muito perto do "Lugar ao Sul".

Nota: para ampliar as imagens basta "clicar" sobre elas.

25 março 2018

Sueco


Hoje era o dia dos seus anos, faria 75. Ei-lo aqui, com fato de "manhoso", num dos nossos almoços.
Um abração, Sueco ... até sempre! 

21 março 2018

A Adega da Bairrada

Uma acção "manhosa" que saiu "manhosa" de mais.


Esta Adega fica em Alvalade, perto da Rio de Janeiro, mas mais valia que estivesse lá mais para norte. Foi com uma certa expectativa que pedimos "choquinhos à Algarvia" e "secretos de porco" ... os primeiros chegaram sofrivelmente confeccionados (para ser simpático) e meio frios e os segundos, após uma espera bem excessiva, razoáveis mas nada que nos leve a repetir a dose. Havia notícia de que os pastéis de nata eram muito bons mas uma vez postos à prova revelaram-se medíocres e com sinais de terem passado uma temporada no frigorífico. O vinho da casa, um palmelão tinto, não foi o pior da refeição. Enfim, uma jornada para esquecer ... não se pode ganhar sempre!

28 fevereiro 2018

Pérola da Mourisca


As circunstâncias, que esperamos virem a ser ultrapassadas rapidamente, não permitiram a presença de vários "manhosos" nesta sortida a Setúbal (mais propriamente a Pontes, Alto da Guerra) à Pérola da Mourisca. Embora longe acho que valeu a pena a deslocação ... começou-se com uns pimentos recheados de sapateira, umas vieiras interessantes, seguindo-se umas ostras ao vapor, puntilhitas bem apaladads, um choco frito (ou não estivéssemos em Setúbal) e terminando em beleza com umas ameijoas à Bulhão Pato. Tudo isto acompanhado de um belíssimo branco da casa (Ermelinda Freitas). O ponto final foi um melão, classificado de razoável.
Uma saída de Lisboa que merece ser encarada como eventual alternativa no futuro.

25 janeiro 2018

Barcabela

Foi esta cervejaria/restaurante (fica entre o Intendente e o Martim Moniz) o cenário para a primeira actuação em 2018 do Grupo Recreativo/Excursionista "Os Manhosos".

(Para ampliar, "clicar" na imagem)

Com um convidado especial (o AJE) comeu-se um choco frito com arroz de pimentos e um coelho frito à maneira. A medalha de ouro foi entregue ao arroz de pimentos que estava muitíssimo bom ... tanto que também acompanhou o coelho frito. A comezaina teve como companhia líquida um tinto do Douro (Assobio de seu nome) que já nos tinha sido apresentado anteriormente sempre com bons resultados. Terminou-se a festança com maçã assada, mousse de chocolate e um surpreendentemente bom melão. Não tendo sido a primeira vez que embarcamos nesta Barca parece-me que também não será a última!

PS: A pedido de várias famílias informa-se que o primeiro almoço manhoso (ainda sem esta designação) foi na Aldeia do Meco no restaurante Celmar, também conhecido como Mário Rui, em Maio de 2004 (já lá vão quase 14 aninhos).


31 dezembro 2017

Ano Novo ... vida nova!


Onde quer que passem ... que seja bem! Um bom 2018 é o que eu desejo.

23 dezembro 2017

É NATAL


Prós Manhosos e famílias!!!

06 dezembro 2017

Lugar ao Sul


Foi sob o olhar atento de Fernando Pessoa que se realizou a última festividade "manhosa" de 2017 ... infelizmente a audiência foi bem reduzida (por uma razão ou por outra houve vários impedimentos). O restaurante, sugestão do "manhoso Pedro TS, foi o "Lugar ao Sul", uma casa alentejana situada na Falagueira, Venda-Nova, Amadora, que proporcionou uma bela e boa refeição típica.


A comezaina começou por uns magníficos e deliciosos torresmos tradicionais, também conhecidos como "redenhos" (não têm nada a ver com aquilo a que estamos habituados pelas bandas lisboetas) e uma tigela de peixinhos da horta de altíssimo nível. Continuou-se com uns pezinhos de coentrada (muito saborosos e bem confeccionados) e uma grelhada mista de porco preto que encerrou o repasto com muita galhardia. O vinho da casa, um tinto alentejano, acompanhou muito bem a refeição que terminou com um razoável melão e um "xiripiti" branco de alto lá com ele. 
Considerando ser esta a última acção "manhosa" do ano iniciaram-se as conversações para o recomeço em 2018 tendo-se decidido, desde já, que será na segunda quinzena de Janeiro em lugar proposto pelo "manhoso" Alfredo (a seguir a Setúbal a caminho de Alcácer do Sal). Oportunamente serão divulgados os detalhes. Espera-se que os impedimentos registados sejam rápidamente ultrapassados, permitindo uma afluência mais completa na próxima actividade.

16 novembro 2017

Na Mouraria

Hoje, "Os Manhosos" resolveram voltar ao "Velho Eurico" em plena Mouraria lisboeta.


Com várias falhas de fogo (3) a reunião incluiu um convidado extraordinário, o ARC. O almoço propriamente dito, infelizmente, não correspondeu às expectativas e parece ter encerrado um capítulo nesta casa. De facto o "cozido à portuguesa" estava desenxabido e sem graça e não havia "iscas" para alternativa. Um relativo fiasco salvo pelo sempre interessante e bem disposto convívio entre a manhosada presente que é o mais importante nestas ocasiões.  

11 outubro 2017

No "Zé Pinto"

Perdido nos baldios de Calhariz de Benfica encontra-se este restaurante que o manhoso SH descobriu e apontou para mais uma sessão gastronómica deste grupo excursionista.


O repasto consistiu de pernil de porco e coelho de tomatada que se deixaram enfardar sem grandes loas e/ou queixumes. O grupo manhoso apresentou-se coeso e completo, o que já não acontecia há bastante tempo ... esperemos que este facto seja de bom augúrio.


As imagens resultam, mais uma vez, da proficiência do manhoso Arteiro que continua a mostrar a sua habilidade nesta matéria.

Nota: Para ampliar basta "clicar" nas imagens.